DEZ RAZÕES PARA VOCÊ APRECIAR VINHO

 

Por que alguém bebe vinho? Você já se fez esta pergunta? Se pararmos para pensar sobre os motivos que nos levam a apreciar vinho, dificilmente a resposta seria simples. Aliás, poderíamos enumerar diversas razões para abrir e degustar uma garrafa de vinho. Caso você nunca tenha parado para pensar sobre o tema, veja alguns bons motivos para beber vinho.

1 – SAÚDE: Já são anos e anos de estudos científicos comprovando os benefícios do consumo moderado de vinho para a saúde humana. Para citar apenas alguns exemplos,running-runner-long-distance-fitness-40751 o vinho ajuda na prevenção de doenças cardiovasculares, neurodegenerativas, gástricas, ósseas e até câncer. Cada vez mais há provas de que uma dieta com vinho traz inúmeros benefícios.

2 – DIETA EQUILIBRADA: O consumo moderado de vinho faz parte das dietas mais equilibradas e indicadas para quem quer manter-se saudável por muito tempo. Recentemente, estudos apontaram que quem consome vinho regularmente tem tendência menor de ganhar peso. Outras pesquisas dizem ainda que uma taça de vinho pode equivaler a uma hora de exercício – devido aos efeitos nos músculos e coração.

3 – JUVENTUDE: O vinho possui grande quantidade de compostos antioxidantes que fazem bem para o organismo e ajudam, entre outras coisas, a “manter o corpo mais jovem”, evitando o envelhecimento precoce das células. Sua ação pode ser sentida até mesmo na pelo.

4 – SENSUALIDADE: Diante de fotos de indivíduos que haviam bebido vinho e outras de gente sóbria, pesquisadores pediram que algumas pessoas dissessem quais as imagens dos mais atraentes. pexels-photo-312080O resultado? O maior número de votos foi para quem havia tomado ao menos uma taça.

5 – RELAXAMENTO: Inegavelmente uma taça serve para relaxar após um dia cansativo de trabalho, no entanto também já há estudos mostrando que é possível dormir melhor quando ingerimos vinho junto às refeições noturnas.

6 – ETIQUETA: Diferentemente de outras bebidas, o vinho costuma ter algumas “regras de conduta” na hora de ser servido e consumido. Tudo faz parte de uma tradição e conhecer essa etiqueta ajuda-nos a ter boas maneiras não somente quando se trata de vinho.

7 – SOCIABILIDADE: O vinho tende a ser uma bebida social. Apesar de podermos consumir sozinhos em algumas ocasiões, uma garrafa geralmente pede para ser compartilhada. Dividir um vinho é dividir uma experiência, uma momento, um deleite mútuo.

8 – CULTURA: Beber vinho, de certa forma, está atrelado a um determinado conhecimento e cultura. Basta pensar que cada produtor e cada rótulo possuem uma rica história. E mesmo escolher um vinho a esmo acaba requerendo uma dose de saber e educação prévias. O enófilo sempre está querendo aprender mais.

9 – ROMANCE: Em um encontro, o vinho sempre será a bebida selecionada. Tudo conspira a favor dele nessas ocasiões: o ritual do serviço, pexels-photo-332047a sensualidade da bebida servida em taças, o teor alcoólico na medida certa, a garrafa compartilhada etc.

10 – CELEBRAÇÃO: Sim, o vinho pode ser uma bebida de meditação também, mas se voltarmos na história, ele era a bebida das celebrações. Cada momento importante de nossas vidas costuma ser marcado pela abertura de um rótulo especial, selecionado para aquele momento, que, junto com ele, será eternizado em nossas memórias.

Seleção de outubro 17

 

O QUE É UM BOM VINHO?

 

Um bom vinho é, acima de tudo, um vinho do qual você goste o suficiente para beber, porque seu objetivo principal é levar prazer à pessoa que o bebe. Depois disso, a qualidade de um vinho depende da maneira como ele atende a um conjunto de padrões de desempenho, mais ou menos, acordados e estabelecidos por especialistas treinados.restaurant-love-romantic-dinner Estes padrões envolvem conceitos misteriosos, como: equilíbrio, persistência, profundidade, complexidade e fidelidade ao tipo (tipicidade).

EQUILÍBRIO: Doçura, acidez e tanino – representam três dos principais componentes (parte) do vinho. O quarto componente é o álcool. Além de ser um dos motivos pelos quais desejamos beber uma taça de vinho, o álcool é um elemento importante na qualidade do vinho. Equilíbrio é a relação entre esses quatro componentes. Um vinho é equilibrado quando nada se destaca na degustação, como um tanino grosseiro ou doçura demais. A maioria dos vinhos é equilibrada para a maioria das pessoas. Se você gosta de um determinado tipo de comida, como, por exemplo, não gosta de alimentos ácidos ou se nunca come doces – poderá achar que alguns vinhos não são equilibrados.

GOSTO É PESSOAL: Literalmente! A percepção dos gostos básicos na língua varia de uma pessoa para outra. Pesquisas comprovam que algumas pessoas tem mais papilas gustativas do que outras e, portanto, são mais sensíveis a características como amargor ou acidez em comidas e bebidas. Garrafa suandoDegustadores mais sensíveis são chamados, de forma um tanto quanto errônea de “super degustadores” – não porque são mais experientes, mas porque percebem sensações como o amargor de modo mais preciso. Se você acha os refrigerantes dietéticos muito amargos ou se tem que colocar muito açúcar em seu café para deixá-lo com paladar melhor, você pode fazer parte desta categoria – e, portanto, pode achar muitos vinhos tintos desagradáveis, mesmo que outras pessoas os considerem.

PAPO DE ESPECIALISTA: Tanino e acidez são elementos de estrutura do vinho (eles deixam o gosto mais firme na boca), enquanto o álcool e o açúcar são elementos de suavização. O equilíbrio de um vinho é a inter-relação dos aspectos firmes e suaves de um vinho – isso indica qualidade. 

PERSISTÊNCIA: Quando chamamos os vinhos de longo ou curto, não estamos nos referindo ao tamanho da garrafa ou à velocidade com que a esvaziamos. Persistência é uma palavra utilizada para descrever um vinho que dá a impressão de percorrer todo o paladar – você pode senti-lo em toda a sua língua – ao invés de parar no meio do caminho, sem que você o tenha saboreado. pouring-wineHoje em dia, há muitos vinhos extremamente concentrados no paladar frontal – eles dão uma ótima impressão, assim que você os coloca na boca – mas eles não percorrem sua boca inteira. Eles são curtos. Geralmente, a alta graduação alcoólica ou o excesso de tanino são os culpados. A persistência é um sinal certo de boa qualidade.

PROFUNDIDADE: Este é mais um atributo subjetivo e imensurável de um vinho de boa qualidade. Dizemos que um vinho tem profundidade quando ele parece ter uma dimensão de verticalidade – isto é, ele não parece liso e unidimensional em sua boca. Um vinho “liso” nunca pode ser ótimo.

 

COMPLEXIDADE: Não há nada errado com um vinho simples e direto, principalmente se você o aprecia. Mas um vinho que permanece revelando coisas diferentes, sempre mostrando um novo sabor ou impressão – um vinho que tenha complexidade – é geralmente considerado de melhor qualidade. Alguns especialistas utilizam o termo complexidade, especificamente, para indicar que um vinho tem uma multiplicidade de aromas e sabores, enquanto outros utilizam o termo em um sentido mais holístico (porém, menos preciso), para se referirem à impressão geral que o vinho proporciona.

DICA: Para uma experiência de como o princípio do equilíbrio de sabores funciona, tente o seguinte: faça uma xícara de chá bem forte e esfrie. cup-mug-water-teaAo beber o chá frio vai parecer amargo, pois está muito tânico. Agora, adicione suco de limão; o chá ficará adstringente (contraindo os poros de sua boca), pois o ácido do limão e o tanino do chá estão acentuando um ao outro. Depois, adicione bastante açúcar ao chá. A doçura deve contrabalancear o impacto ácido-tanino e o chá ficará mais suave do que estava antes.

Barra do 1853 Old wine estates Malbec (Copy) (2)

COMO É FEITO O VINHO

Diariamente conhecemos pessoas que gostam de beber vinho, mas não sabem muita coisa sobre ele – quem não passou por essa fase? Ter várias informações a respeito do vinho certamente não é um pré-requisito para apreciá-lo. Porém, a familiaridade com determinados aspectos do vinho pode facilitar, e muito, a escolha, além de melhorar sua apreciação e aumentar seu nível de conforto.

O vinho é, essencialmente, uma fruta fermentada líquida. A receita para transformar a fruta em vinho é mais ou menos assim:

1 – Pegue uma grande quantidade de uvas maduras nas videiras.

purple-grapes-vineyard-napa-valley-napa-vineyard-45209          É possível acrescentar framboesas ou qualquer outra fruta, mas 99,9% de todo o vinho do mundo é feito somente de uvas, pois elas fazem o melhor vinho.

 

 

2 – Coloque as uvas em um recipiente limpo e sem vazamento.

3 – Amasse as uvas para que elas liberem seu suco. (ou mosto)

Há muito tempo, esta parte era feita com os pés.

4 – Espere

Em sua forma mais básica, a vinificação é simples assim. Depois que as uvas são amassadas, as leveduras (pequenos organismos unicelulares que existem naturalmente nas plantações de uva e, portanto, nas uvas) entram em contato com o açúcar do suco da uva e, gradualmente, transformam este açúcar em álcool. As leveduras também produzem dióxido de carbono, que evapora. Quando as leveduras terminam seu trabalho, seu suco de uva se transforma em vinho. O açúcar que havia no suco não existe mais – no lugar dele está o álcool. (Quanto mais maduras e doces forem as uvas, mais álcool terá seu vinho). Este processo se chama fermentação.uvas

O QUE PODERIA SER MAIS NATURAL?

          A fermentação é um processo totalmente natural, que não exige qualquer participação humana, com exceção da colocação das uvas no recipiente e da retirada do suco das uvas.

ARTIFÍCIOS MODERNOS DA FABRICAÇÃO DO VINHO

          Se todos os fabricantes de vinho o produzissem da maneira como acabamos de falar, estaríamos bebendo algo grosseiro o suficiente para não nos inspirar a escrever sobre o Barril de vinhoassunto. Porém, atualmente, os fabricantes tem uma coleção de truques, por isso que dois vinhos nunca tem exatamente o mesmo gosto. Os homens e mulheres que fazem o vinho podem controlar o tipo de recipiente que será utilizado no processo de fermentação (aço inoxidável e carvalho, são os dois principais materiais), bem como o tamanho do recipiente e a temperatura do mosto durante a fermentação, e cada uma dessas escolhas pode alterar bastante o sabor do vinho. Após a fermentação, eles podem escolher quanto tempo o vinho irá maturar (um estágio em que o vinho faz a sua parte) e em que tipo de recipiente. A fermentação pode durar três dias ou três meses e o vinho pode, então, maturar por algumas semanas ou alguns anos.

 

O INGREDIENTE PRINCIPAL

          Além do fato de uvas mais maduras e mais doces fazerem um vinho mais alcoólico, diferentes castas de uvas (Chardonnay, Cabernet Sauvignon ou Merlot, entre outras) também fazem vinhos diferentes. A uva, matéria-prima do vinho, não cresce em qualquer lugar. O local onde é cultivada, o solo e o clima de cada região vinífera, bem como as tradições e objetivos das pessoas que cultivam a uva e fazem o vinho, afetam a natureza das uvas maduras e o sabor do vinho feito com elas. É por isso que grande parte das informações que se deve ter sobre o vinho gira em torno dos países e regiões onde ele é feito.

Taça de Vinho Tamaya Carménère (Copy) (2)

4º Edição da Agenda Viva Cultura de Teresópolis

Adega W participou no dia 7 de agosto do lançamento da 4ª edição da agenda Viva Cultura da Prefeitura de Teresópolis. O lançamento ocorreu no salão da Pousada Terê Parque, na Granja Guarani.

Adega W forneceu dois vinhos espanhóis da Bodega San Valero.

 

Sierra de Viento tempranillo                                                            

Sierra de Viento Tempranillo                            Sierra de Viento Garnacha Old Wine

No final do evento a Adega W sorteou um garrafa do vinho espanhol Sierra de Viento Garnacha Old Wine.

IMG-20170808-WA0005

IMG-20170808-WA0010
Ganhadora do Sorteio

DSC_0298

1

1º Vinhos & Sabores

A Adega W participou com um stand no 1º Vinhos & Sabores realizado no Plaza Shopping em Niterói, RJ. O evento, que aconteceu entre os dias 4 e 6 de agosto, foi uma realização do Globo Niterói e do Plaza Shopping  firmando como o mais novo evento para os amantes do vinho. Com um conteúdo cheio de informação, para quem procurava expandir o conhecimento e também para quem queria embarcar no universo dessa bebida.

WhatsApp Image 2017-08-10 at 11.08.41

Adega W participou com os vinhos espanhóis da bodega San Valero, com os seguintes rótulos:

San Valero

Todos os dias Adega W realizou sorteio de uma garrafa de vinho.

 

1

TEMPERATURA DO VINHO

Muitas pessoas se preocupam se vão ficar carecas ou gordas, eu me preocupo com a temperatura do vinho.

Triste, eu sei. Não me entenda mal, eu também me preocupo se vou ficar careca ou gordo, mas a temperatura em que o vinho é servido é uma fonte constante de frustração para mim. O problema é que, com muita frequência, servimos vinho branco muito gelado e tinto sem gelar o suficiente.pexels-photo-391213

Quando você serve o vinho muito gelado, corre o risco de esconder todos os aromas e sabores agradáveis, assim como de alterar a textura do vinho. Do mesmo modo, se servir um vinho morno, verá que o álcool se torna muito mais óbvio e rapidamente desequilibra a bebida.

Embora a temperatura errada possa melhorar alguns vinhos de qualidade inferior, compreenda que isso não é bom nem para você nem para o vinho, especialmente se você gastou um pouco a mais.

Prestar atenção na temperatura do vinho é muito importante – você encontra abaixo uma lista de temperaturas para servir, que recomendo. Mas, se você tem pouco tempo e precisa alterar rapidamente a temperatura de um vinho, eis aqui, algumas dicas que podem ajudar a apressar o processo:

  1. O modo mais rápido de esfriar um vinho é encher um balde de gelbalde de geloo pela metade e preencher o restante com água fria. Gire a garrafa no gelo sem parar por 10 minutos, ponto em que seu vinho já deverá estar frio. Deixe por mais alguns minutos, se quiser o vinho bem gelado mesmo.
  2. Igualmente, se você tirar uma garrafa de vinho da geladeira e notar que está fria demais, sirva um pouco em sua taça e, colocando as mãos em volta dela, gire o vinho na taça. A temperatura das mãos vai esquentar o conteúdo da taça bem depressa.
  3. Uma última dica: eu nunca diria para se colocar o vinho no forno de micro-ondas, no freezer ou sob a água quente de uma torneira. Não quer dizer que eu nunca tenha feito isso – apenas não recomendo. O vinho não gosta de oscilações drásticas de temperatura.

 

TEMPERATURAS PARA SERVIR

Apesar de não haver regras explícitas quanto à temperatura de vinho, estas abaixo funcionam bem.

  1. Bem gelado: Champanhe sem safra, espumante, Sauvignon Blanc, Riesling, rosé, muitos vinhos brancos italianos e espanhóis, combinações de branco sem madeira, manzanilla e xerez fino devem todos ser servidos frios, entre 8 ºC e 10 ºC.
  2. Frio: Champanhe com safra, vinhos brancos mais encorpados como Chardonnay, Semillon, Viognier, Gewurztraminer, Gruner Veltliner e Pinot Gris; tintos como Pinot Noir, Beaujolais; e a maioria dos vinhos doces é ótimo se servido com um frio mais suave entre 11 ºC e 15 ºC.
  3. Temperatura ambiente: Tintos de corpo médio a alto e vinhos fortificados devem ser servidos em torno de 15 ºC a 17 ºC. Evite instruções que sugiram servir o vinho em temperatura ambiente, já que isso pode variar drasticamente dependendo do lugar onde você mora.2

UMA HISTÓRIA SOBRE ARMAZENAMENTO

Se você tem algumas garrafas de vinhos especiais espalhadas por lugares onde não deveriam estar, você precisa realocá-las. Lembre-se, o vinho é algo vivo e você deve cuidar das suas garrafas adequadamente.

Em 1916, a escuna Jonkoping saiu do porto sueco de Gavle com destino à Finlândia. Havia a bordo 4.400 garrafas de champanhe Heidsieck 1907 “Goût Americain”, destinadas às Forças Armadas da Rússia czarista.

 

Quase chegando a seu destino, a Jonkoping foi abalroada na costa finlandesa pelo submarino alemão U22 e afundou devido a uma explosão de dinamite, o que matou todos a bordo e mandou seus destroços, com aquela carga preciosa, para o fundo do mar.

Quase 80 anos depois, com a ajuda de um sonar, dois mergulhadores encontraram a Jonkoping, e então começou a operação de salvamento.

Eles não conseguiram acreditar no que encontraram: ali, entre os destroços, jazia grande parte do champanhe.

garrafa no mar

Por milagre, tanto as garrafas quanto as rolhas aguentaram a pressão. A água fria e escura propiciou um estado próximo ao de animação suspensa, que serviu para proteger e preservar o conteúdo das garrafas.

Os dois mergulhadores rapidamente adquiriram os direitos sobre a carga, que representava um valor estimado entre US$ 20 e US$ 70 milhões, e a recuperação continuou.

O champanhe recuperado continuou a atingir preços recordes na casa de leilões Christie’s.

Um comprador europeu chegou a pagar US$ 4 mil a mais por garrafa – até hoje o maior preço pago em leilão por uma única garrafa de champanhe.

O que podemos aprender com essa história? Encontrar um lugar com as condições certas para guardar seu vinho é algo de suprema importância.

Embora a ideia de guardar o vinho pareça terrivelmente sofisticada, não é difícil criar um depósito simples a um custo acessível e você não precisa saber muito sobre vinho.

Cava Ramiro II Brutt Nature

 

Vinho sem Segredos – Patrício Tapia

“A verdade é que se me perguntassem qual é o melhor lugar para degustar, eu diria que é a sala de jantar da minha casa, com a mesa repleta de amigos bebendo além da conta, desfrutando da mágica fusão entre vinhos e pratos, soltando gargalhadas, sentindo essa intima necessidade de companhia que o vinho provoca ao nadar pelas veias. O vinho, a mesa, a refeição, meus amigos, ninguém como protagonista, tudo parte de um grande conjunto, um conjunto que é totalmente oposto ao lugar da degustação profissional.”

Blog no WordPress.com.

Acima ↑